Títulos de especialista

Período excecional de candidaturas para atribuição dos Títulos de Especialista

 O Colégio de Biologia Humana e Saúde informa  os seus membros que já se encontra disponível, na página da Ordem dos Biólogos (https://ordembiologos.pt/colegios/colegio-da-biologia-humana-e-saude/), a plataforma de candidatura à atribuição do Título de Especialista, em Análises Clínicas, em Genética Humana e em Embriologia / Reprodução Humana. A candidatura em causa vigora em período excepcional e é dirigida exclusivamente a profissionais que possuam, pelo menos, 10 anos de exercício de funções devidamente qualificadas, na área de especialização a que se candidatam.

4º Fórum do CNS – Apresentação do Estudo “Participação Pública em Saúde”

Torna-se público o estudo “Participação Pública em Saúde”, realizado pelo Conselho Nacional de Saúde, do qual faz parte o Prof. Doutor Miguel Viveiros em representação da Ordem dos Biólogos.
Este estudo preconiza o aumento da cultura e literacia de participação pública em saúde, sublinhando a urgência na mudança de paradigma cultural e o reconhecimento do cidadão como principal interessado e “parceiro”; a capacitação sobre os processos participativos; a definição de um enquadramento legal com “mecanismos que facilitem a aplicação” e a eventual criação de “incentivos”; e a “existência de financiamento específico e sustentado”.

Pode consultar o documento aqui.

Mensagem de Natal do Bastonário

Caros colegas,

estamos a chegar ao fim de um ano atípico. Um ano em que foram cancelados milhares de eventos que afetaram o trabalho dos biólogos: projetos de investigação interrompidos, congressos e reuniões de trabalho cancelados ou passados para plataformas digitais, aulas, cursos e formações que perderam o indispensável contacto pessoal (ou a presença em laboratório) e passaram para online, e tantas outras atividades, teses, projetos pessoais ou profissionais que de alguma forma foram prejudicados.

Mas foi também um ano no qual a relevância dos biólogos, enquanto profissionais, se tornou mais visível: colegas Técnicos Superiores de Saúde e Especialistas em Analises Clínica e Genética Humana da Ordem dos Biólogos, que estiveram por detrás da maior parte dos mais de 4 milhões de testes Covid-19 realizados no país, colegas investigadores que contribuíram de forma muito relevante para a sequenciação de milhares de amostras de vírus identificados em Portugal e para projetos de investigação relacionados direta ou indiretamente com a pandemia; colegas professores que em todos os ciclos do Ensino se adaptaram rapidamente a aulas não-presenciais ou presenciais com restrições prejudicando ao mínimo os seus alunos; colegas especialistas em áreas da saúde como a epidemiologia, que têm sido chamados a colaborar de perto com as autoridades públicas de saúde; colegas nas áreas do Ambiente, da Biotecnologia e da Segurança Alimentar que contribuíram para que os nossos cidadãos não deixassem de ter acesso a serviços, a alimentos e a outros bens de primeira necessidade e de uma forma generalizada colegas que nas mais variadas áreas continuaram a trabalhar para o bem comum.

O facto de a Ordem dos Biólogos ter sido convidada para participar em comissões e diferentes grupos de trabalho da área da saúde e do ambiente, são ilustrativos da visibilidade que os biólogos tiveram, numa clara demonstração da sua versatilidade, transdisciplinaridade e competência.

Embora seja normalmente incorreto elogiar pela negativa, devo confessar que me congratulo com o facto de não ter surgido nenhuma iniciativa de “biólogos pela verdade”, à semelhança do que tem acontecido com outras áreas, dando espaço a campanhas de desinformação e a intoxicação com teorias da conspiração. Os biólogos têm-se pautado por intervenções rigorosas baseadas na ciência, e pela divulgação de factos científicos relevantes para o esclarecimento da sociedade. Obrigado a todos pelo vosso trabalho, sério e de valor.

Este é também um ano diferente, porque marca o final de um ciclo de 4 anos do presente Conselho Diretivo e de 7 anos em que me mantive como bastonário da Ordem dos Biólogos. Esta será, por isso, a última mensagem de Natal que enviarei aos meus colegas biólogos, membros da nossa Ordem. Dentro de um mês saberemos quem são os candidatos aos Corpos Sociais da Ordem dos Biólogos, nos quais eu não serei candidato, por limitação de mandatos decretada nos nossos estatutos.

Assim, é com muita amizade e alguma emoção que desejo a todos um Feliz Natal e um Novo Ano que seja substancialmente melhor do que este que agora finda, que nos traga mais solidariedade, tolerância, respeito e todos os valores que se revelaram de enorme importância para ultrapassar as dificuldades deste ano, mas que seguramente se irão prolongar por uma boa parte de 2021.

Sempre disse que a Ordem dos Biólogos é a nossa casa, e a nossa casa será aquilo que quisermos que ela seja. Continuemos a trabalhar para que seja um local onde todos nos sintamos confortáveis e para a qual sempre possamos contribuir para a tornar num local fraterno, seguro, livre e plural.

Com os desejos de um Feliz Natal para todos os Biólogos, até breve, até sempre,

Títulos de Especialista em Análises Clínicas, em Genética Humana e em Embriologia/Reprodução Humana

VER EDITAL

O Conselho Diretivo da Ordem dos Biólogos faz saber que decorrerá um período excecional de candidaturas para atribuição dos Títulos de Especialista em Análises Clínicas, em Genética Humana e em Embriologia / Reprodução Humana, dirigido exclusivamente a profissionais com, pelo menos, 10 anos de exercício de funções devidamente qualificadas, na área de especialização a que se candidatam.

 

Convocação de Assembleia Geral Eleitoral para o quadriénio 2021-2025

De acordo com o artigo 5 do Regulamento Eleitoral e de Referendos Internos da Ordem dos Biólogos, a Presidente da Mesa da Assembleia Geral, na qualidade de presidente da Comissão Eleitoral, agendou eleições para os Órgãos Nacionais, Regionais e Direções dos Colégios de Especialidade da Ordem dos Biologos para o dia 15 de março de 2021.

PDF convocatória

Audiência do Presidente da República ao Bastonário da Ordem dos Biólogos

No dia 28 de Outubro de 2020 e a seu pedido, o Presidente da República ouviu a Ordem dos Biólogos, que se fez representar pelo seu Bastonário José Matos e por Miguel Viveiros, representante da Ordem no Conselho Nacional da Saúde. Na agenda estava a pandemia de Covid 19.

Desse encontro, damos a todos os membros as principais notas:

Foram abordados três assuntos principais: testagem de diagnóstico para o SARS-CoV-2, o que a Ciência tem a dizer sobre a COVID-19 e como a comunicação sobre a pandemia deve ser feita para os cidadãos.

Pela voz do bastonário, foi salientado:

  • que a grande capacidade de realização de testes tem por detrás biólogos, cujo trabalho alicerça a resposta dos laboratórios públicos e privados no diagnóstico célere que a linha da frente (médicos, enfermeiros e restantes profissionais da saúde) necessita, e cujo reconhecimento público importa ser feito.
  • o facto de a segunda vaga que atravessamos apresentar valores significativamente superiores à primeira e durante um maior período de tempo, o que pode levar a que o número de técnicos existentes seja insuficiente para responder à necessidade de aumentar o número de testes, apesar da bolsa de voluntários que em boa hora a Ordem dos Biólogos criou.
  • a urgência em acautelar a reserva estratégica de kits para testes, que não podem esgotar, como anteriormente aconteceu.
  • que os investigadores portugueses, não só por se disponibilizaram como voluntários para ajuda às equipas laboratoriais, mas também por terem criado num curto espaço de tempo, com eficiência e eficácia, laboratórios de testes de diagnóstico nas universidades, institutos e centros de investigação nacionais, merecem o maior respeito e reconhecimento.
  • que os investigadores deram ao mundo um exemplo de cooperação internacional, contribuindo de forma significativa para que a sequenciação do genoma do vírus fosse a mais rápida e partilhada alguma vez vista, demonstração clara de que com trabalho concertado é possível evoluir no conhecimento, o que os políticos globalmente não fizeram, decretando medidas diferentes consoante o país.

Considerou ainda:

  • haver uma grande mobilização da comunidade científica, com apresentação de propostas que originaram projetos de investigação de grande importância, existindo mesmo uma empresa portuguesa a desenvolver uma vacina, já em fase de testes em animais.
  • que Portugal já não está nos anos 80 quanto a meios técnicos e recursos humanos especializados e competentes, antes se situa na linha da frente da excelência.
  • que é, contudo, necessário um maior investimento em projetos de investigação, pois só assim será possível a pesquisa de novos fármacos, vacinas e demais ferramentas para combater pandemias e doenças emergentes, resultantes da forma como a pressão humana tem desequilibrado os ecossistemas, despoletando ameaças à saúde global.
  • que no centro deste tipo de investigação estão os biólogos, ilustrando este facto com a atribuição dos Nobel da Medicina ou Fisiologia e Nobel da Química a biólogos, prova de que em todo o mundo lideramos a investigação em ciências biológicas!
  • que é necessária informação rigorosa e credível, dado a globalização estar a provocar a disseminação de informação falsa, como promessas de curas e tratamentos milagrosos.
  • que é muito importante falarmos sempre verdade, nomeadamente sobre as máscaras, porque se estas não param a pandemia, impedem seguramente a disseminação descontrolada do vírus, da mesma forma que o guarda-chuva não pára a chuva, mas ajuda a que nos molhemos menos.
  • que é necessário dizer que as vacinas não irão conferir 100% de imunidade, mas que se usadas simultaneamente com outras formas de prevenção vão fazer reduzir o número de casos, protegendo também o Serviço Nacional de Saúde.
  • que a Ordem dos Biólogos tem vindo a fazer trabalho nesta matéria, com a produção de vídeos para o Programa Ciência Viva, divulgação de informação com artigos nos jornais e formação para professores, referindo que estaremos sempre disponíveis para contribuir e colaborar com as entidades da Saúde.

Miguel Viveiros referiu:

  • a necessidade de haver informação dirigida a grupos específicos de doentes, como os diabéticos, os hipertensos ou os portadores de doenças auto-imunes, bem como a importância do rigor e da clareza da comunicação, no desígnio imperioso de eliminar as desconfianças em relação a uma vacina para COVID-19, cujo desenvolvimento, por ter sido acelerado, pode colocar dúvidas sobre a sua segurança.
  • que apesar de os grupos anti vacinação em Portugal não terem muita expressão, a situação pode reverter-se aquando da chegada da vacina.

Porque quebrar as cadeias de transmissão é uma tarefa de extrema dificuldade, que necessita de meios humanos e técnicos que hoje não conseguem responder ao surgimento de cada foco, a Ordem informou ainda a Presidência que propôs, na sequência de reunião com o senhor Subdirector-geral da Saúde, a utilização dos professores de biologia como agentes de identificação e interrupção das cadeias em escolas do ensino secundário, comprometendo-se a dar formação adequada aos docentes.

Todas estas reflexões foram acolhidas com agrado pelo Senhor Presidente da República, nomeadamente a necessidade de reconhecimento público do trabalho realizado pelos biólogos nos laboratórios de diagnóstico e de investigação do vírus SARS-Cov-2, tendo ainda concordado com a necessidade de aumentar os apoios à investigação, bem como garantir uma informação mais credível, agradecendo a disponibilidade da nossa Ordem Profissional para contribuir neste campo.

Acolheu também com agrado a sugestão de englobar professores de Biologia na identificação de cadeias de transmissão, assunto que vai discutir com o Governo.

Lisboa, 31 Out 2020

 

Olimpíadas Portuguesas de Biologia 2020/2021

A Ordem dos Biólogos está a iniciar o processo para mais um ano de Olimpíadas da Biologia, que devido à Pandemia instalada no nosso país, vão decorrer em moldes diferentes dos habituais.

Assim, informamos que as:

  • Olimpíadas Júnior (9º ano) – serão totalmente online
  • Olimpíadas Sénior (10º ano) – a sua única prova será também online
  • Olimpíadas Sénior (11º e 12º anos):
    1ª eliminatória será online
    2ª eliminatória será presencial se for possível na data da sua realização, caso contrário será online
    Prova Prática (final) será presencial se for possível na data da sua realização, caso contrário será online

Abertura das inscrições para as escolas: 09 de Novembro de 2020

Datas limite de inscrição:
da Escola – 20 de Dezembro de 2020
dos Alunos – 31 de Dezembro de 2020