PODCAST do CBHS, 7º episódio

No novo episódio do Podcast do CBHS, entrevistamos a Doutora Rita Ramalho, Especialista em Embriologia e Reprodução Humana da Ordem dos Biólogos e responsável pelo Laboratório de Embriologia do Hospital Senhora da Oliveira, Guimarães, pertencente à Unidade Local de Saúde do Alto Ave.

Vamos conhecer o papel abrangente do especialista de Embriologia, não só enquanto responsável de um Laboratório de Embriologia integrado num Centro de Procriação Medicamente Assistida, como também enquanto elemento vital das equipas multidisciplinares da área da Procriação Medicamente Assistida (PMA), em contato direto com os utentes.

Vamos conhecer um pouco das aplicações da PMA em Portugal, dos seus desenvolvimentos técnico-científicos e das diferentes realidades legislativas e sociais da União Europeia.

Daremos a conhecer também de que forma se pode formar um profissional especialista em embriologia em Portugal.

Pode ouvir esta entrevista aqui

Protocolo de colaboração – Ordem dos Biólogos e Entidade Reguladora da Saúde

Reconhecendo a convergência de interesses das entidades envolvidas, quanto à elevação dos padrões de qualidade na prestação de cuidados de saúde, a Entidade Reguladora da Saúde e a Ordem Biólogos assinaram, no passado dia 20 de maio, um protocolo de colaboração institucional que visa a cooperação na partilha de recursos, humanos e técnicos, e de conhecimentos, tendo em vista a melhoria do exercício das respetivas atribuições e a defesa da qualidade na prestação de cuidados de saúde.

Aviso – Legislação recentemente publicada (Laboratórios de Genética Médica)

Foi recentemente publicado em Diário da República, 1ª série, a Portaria nº 91/2024/1, de 11 de março, a qual estabelece os requisitos mínimos relativos ao licenciamento, instalação, organização e funcionamento, recursos humanos e instalações técnicas dos laboratórios de genética médica detidos por pessoas coletivas públicas, instituições militares, instituições particulares de solidariedade social e entidades privadas.

PODCAST do CBHS, 5º episódio

No novo episódio do Podcast do Colégio de Biologia Humana e Saúde (CBHS)  entrevistamos a Dra Ana Macedo. É licenciada em Engenharia Biotecnológica e pós-graduada em Medicina Laboratorial, Especialista em Análises Clínicas pela Ordem dos Biólogos e Especialista Europeia de Laboratório Médico pela Federação Europeia de Laboratório Médico EFLM.

A Dra. Ana exerce a sua atividade profissional como Responsável do Laboratório de Imunohematologia e também como Gestora da Qualidade do Serviço de Imunohemoterapia do IPO de Lisboa. Entre outras atividades de relevo foi também responsável técnica e elo de ligação do IPO de Lisboa com a BIQ Healthcare, no desenvolvimento dos sistemas BTrac e LabTrac, de segurança transfusional e de pré-analítica laboratorial, as quais estão agora a ser adotados por várias unidades hospitalares nacionais.
Neste episódio falamos no que consiste a atividade de um laboratório de imunohematologia, no IPO de Lisboa, por comparação com outras realidades. Abordamos algumas das metodologias inovadoras desenvolvidas pela Dra Ana na resolução de problemas de interferência com os novos medicamentos MABS, que foram posteriormente adotados como recomendação internacional. Vamos ouvir também como desenvolveu, enquanto coordenadora técnica e elo de ligação do IPO Lisboa, os sistemas BTrac e LabTrac com a BIQ Health Care.

Nesta entrevista vamos conhecer o desafio que o CBHS coloca a todos os seus especialistas relativamente à publicação de recomendações técnico-científicas nacionais, de metodologias desenvolvidas com sucesso nos seus laboratórios, enquanto coordenadores técnicos e autores principais, tal como já foi feito com o conjunto de recomendações da Ordem dos Biólogos (http://ordembiologos.pt/wp-content/uploads/2015/11/Procedimento-v3-Maio2018-Revisao-Final-22052018_.pdf) para o uso das ferramentas da variabilidade biológica e da incerteza da medição, as quais são, desde 2022, também recomendações da Federação Europeia de Laboratório Médico.

Caso esteja interessado em obter mais informações pode entrar em contato com o secretariado do CBHS pelo correio eletronico secretariado@ordembiologos.pt . Pode  também entrar em contato direto com Dra Ana Macedo através do correio eletrónico: amacedo@ipolisboa.min-saude.pt

Pode ouvir esta entrevista aqui

PODCAST do CBHS, 4º episódio

No novo episódio do Podcast do CBHS, entrevistamos o Dr. Carlos Vaz.
É licenciado em Bioquímica e em Engenharia Biotecnológica, Especialista em Análises Clínicas da Ordem dos Biólogos e Especialista Europeu de Laboratório Médico da European Federation of Laboratory Medicine EFLM. É membro da Direção do Conselho Regional Norte da Ordem dos Biólogos e Coordenador do Grupo de Mentores Especialistas em Análises Clínicas do Colégio de Biologia Humana e Saúde(CBHS), pelo segundo ano consecutivo.

Neste episódio falamos sobre o papel dos Mentores Especialistas em Análises Clínicas no apoio aos candidatos a exame da Especialidade em Análises Clínicas da Ordem dos Biólogos. Vamos ouvir, na primeira pessoa, como foi organizar o primeiro Workshop “One Health – O Biólogo na Saúde” e qual o impacto que este teve nos profissionais de saúde do CBHS, e como os Especialistas de Saúde do CBHS cumprem os três critérios da Lei de Bases de Saúde.

Vamos também conhecer a realidade dos Especialistas em Análises Clínicas nos laboratórios privados nacionais, assim como o seu papel como Diretores Técnicos de laboratórios e de Postos de Colheitas em vários Laboratórios e Grupos Laboratoriais nacionais; vamos falar da obrigatoriedade destes terem nos seus Estatutos a figura do Especialista em Análises Clínicas da Ordem dos Biólogos como profissional competente para vir a assumir a direcção técnica, bem como para efetuar a validação biopatológica final dos resultados laboratoriais, dando cumprimento à Portaria de Licenciamento de Laboratórios de Patologia Clínica ou Análises Clínicas e respectivo Manual de Boas Práticas Laboratoriais.

Pode ouvir esta entrevista aqui

Reconhecimento dos Títulos de Especialista da Ordem dos Biólogos para o SNS

Caros e Caras Biólogos e Biólogas,

Hoje é um dia muito importante para a Ordem dos Biólogos, foi publicado o Decreto-Lei Nº5/2024 que altera o regime das carreiras farmacêuticas e reconhece o título de especialista concedido pelas Ordens profissionais.

Este diploma reconhece os títulos de especialista atribuídos pela Ordem dos Biólogos na área da Biologia Humana e Saúde, como condição suficiente para ingresso na carreia dos técnicos superiores de saúde no SNS.

O acesso à carreira dos técnicos superiores de saúde, carreira especial não revista do Ministério da Saúde, depende de se ser detentor de titulo de especialista. Assim, este diploma equipara os títulos de especialista atribuídos pela Ordem dos Biólogos aos atribuídos pelo Estado, de forma clara e inequívoca, e determina o seu reconhecimento para o SNS, conforme anexo do diploma transcrito abaixo:

Este “simples” ato legislativo é o culminar de um longo percurso em prol do reconhecimento do trabalho dos colegas que desenvolvem a sua atividade profissional da área da saúde humana. Foi uma luta que resultou não só do empenho e persistência dos biólogos da área da saúde, mas também de todos os dirigentes da Ordem dos Biólogos ao longo destes 25 anos.

Estamos todos de parabéns!

Prestamos também o devido reconhecimento e agradecimento a todos(as) o(a)s que contribuíram para este “presente de Reis” de 2024!

Este diploma é ainda o reconhecimento público do trabalho dos Biólogos em prol da comunidade e do utente. Bem sabemos, quanto necessitamos ainda de labutar por conseguir esse estatuto junto dos nossos concidadãos.

O trabalho não termina aqui, continuamos com muitas frentes de batalha, mas estas vitórias devem dar-nos ânimo para prosseguir.

Obrigada a todos(as)!

Um Bom Ano!
Maria de Jesus Fernandes

PODCAST do CBHS, 3º episódio

No episódio de hoje entrevistamos o Dr. João Rafael Luís que se encontra a concluir o Programa de Formação Tutelada Especializada em Análises Clínicas pela Ordem dos Biólogos, no Serviço de Patologia Clínica do Hospital de Vila Franca de Xira.

Durante a entrevista ficamos a saber como iniciou o seu internato e quais os apoios que o Colégio de Biologia Humana e Saúde disponibiliza para a preparação da candidatura ao exame de Especialidade em Análises Clínicas.

A Ordem dos Biólogos agradece a disponibilidade do Dr. João Luís  por ajudar, com o seu exemplo, a esclarecer os colegas mais jovens sobre o Programa de Formação Tutelada Especializada em Análises Clínicas.

Pode ouvir esta entrevista aqui

 

PODCAST do CBHS, 2º episódio

O Colégio de Biologia Humana e Saúde tem o prazer de o convidar a ouvir o novo episodio do seu Podcast.

Podcast é um ficheiro digital multimédia (mais comummente de formato áudio) contendo episódios de um programa, que se pode descarregar da internet e reproduzir num computador, smartphone ou leitor portátil, de forma fácil e com consumo reduzido de dados, tornando-se uma das formas mais eficazes de transmitir informação do interesse do ouvinte.

Um Podcast pode ser ouvido enquanto o receptor realiza as suas várias atividades diárias, como deslocações, refeições, atividades domésticas ou profissionais rotineiras, ou até exercício físico.

Com a missão de informar, educar e inspirar, o Podcast do Colégio de Biologia Humana e Saúde terá episódios em formato de entrevista ou apresentação individual, com a participação de profissionais de reconhecido mérito nas suas áreas de especialização profissional.

No episodio de hoje ouvimos a segunda e ultima parte do Processo do Laboratório Clinico, agora visto de uma perspectiva Termodinâmica onde o Dr Jorge Pinheiro nos convida a observarmos as semelhanças com o crescimento dos seres vivos enquanto sistemas termodinâmicos abertos, explicado com base na descoberta do Premio Nobel da Química de 1977. Desta forma todos os processos laboratoriais podem ser resumidos a dois momentos fundamentais em que os profissionais de laboratório estão sempre presentes, também eles enquanto “estruturas dissipativas” do laboratório clinico e por isso responsáveis pelo seu crescimento. Quando consciente dos dois momentos base de todos os processos do laboratório clinico, o profissional de laboratório passa também a dominar o seu próprio percurso profissional.

 

Pode ouvir o Podcast do CBHS aqui:

Google Podcast APP

Spotify APP

3º Curso de Flebotomia: da teoria à prática

 

O Colégio da Biologia Humana e Saúde da Ordem dos Biólogos, em parceria com o Grupo Laboratorial – Unilabs, leva a efeito o 3º curso “Flebotomia: da Teoria à prática”, dirigido a todos os  profissionais que necessitam de adquirir ou desenvolver as suas competências nesta área.

Objectivos:

  • Dotar os participantes das competências iniciais ou de aperfeiçoamento, necessárias para a prestação do serviço de flebotomia em exercício profissional do laboratório clínico.
  • Actualizar os conhecimentos teóricos e de experiência técnico-científica em medidas de segurança para o paciente e o profissional, na prestação do serviço de flebotomia.
  • Actualizar os conhecimentos teóricos e de experiência técnico-científica na resolução de situações práticas menos comuns.

Inscrições abertas até 20 de Março

Mais informações e PROGRAMA  AQUI
INSCRIÇÕES  AQUI

Ciclo de Artigos sobre Apresentações do “5th EFLM-UEMS European Joint Congress in Laboratory Medicine” 2018

Número 3 – “The Rise And Fall Of Total Error Concept In Laboratory Medicine”

Fortemente sugestivo, o título deste painel de palestras demonstra o progressivo abandono do velho conceito do Erro Total no laboratório clínico, pela EFLM e UEMS.

O colega Anders Kallner, na sua palestra “Uncertainty Or Total Allowable Error: The Big Debate”, lembra-nos que todas as decisões e medidas estão sujeitas a incerteza. Por outro lado, explica que existem sempre duas componentes de erro: aleatório e não intencional (precisão) e sistemático, que se considera intencional se o não corrigirmos (exatidão). Para este, o debate nos últimos anos no laboratório clinico, centra-se em conseguir cálcular ambos os erros numa única expressão.

O Professor Elvar Theodorsson, na sua palestra sobre “From Measurement To Diagnosis: Uncertainty In Laboratory Medicine”, enfatiza que as estruturas e reações químicas são os principais fatores que influenciam a sensibilidade e a especificidade no doseamento das magnitudes biológicas, na química clínica. Para este autor, é o papel do laboratório a translação do valor quantitativo em resultado e informação útil. Também, realça que esta translação pode ser feita com recurso a: i) dados de calibração dos sistemas de doseamento; ii) dados da variabilidade biológica, com a variação diurna, etária e de género; iii) transporte, armazenamento e tipo de amostra biológica; iv) informação sobre os intervalos de referência; v) limites de decisão e dados populacionais necessários para a correta interpretação dos resultados do laboratório.

Ainda segundo este autor, a característica principal do sucesso das industrias de serviço e manufaturação, deve basear-se na satisfação das necessidades do utente e no estabelecimento de uma boa relação com o mesmo. No laboratório clinico, podemos centrarmo-nos no utente quando damos enfase ao desenvolvimento, inovação e interpretação dos resultados dos doseamentos no contexto clínico, mais do que apenas uma simples apreciação do que foi detetado. Esse desenvolvimento, deve ser efetuado preferencialmente pelo laboratório clinico, uma vez que os doseamentos apenas têm interesse quando os seus resultados contribuem substancialmente para medir a eficácia do tratamento ou no correto diagnóstico. Caso contrário, os resultados do laboratório não passam de “apenas números” …

EM PORTUGAL:

Com a publicação do documento de otimização dos programas de controlo interno dos laboratórios clínicos (link de acesso), a LabGen-ANBIOQ e o CBHS-OBIO criaram as condições para que em Portugal, seja possível efetuar o cálculo da incerteza de medição, podendo ser usada em conjunto com os dados da variabilidade biológica intraindividual, permitindo determinar a capacidade de deteção de alterações fisiopatológicas relevantes e personalizadas para cada paciente.

Em 2012, no Workshop Internacional de Bioquímica Clínica na Universidade de Coimbra, foi apresentada a primeira folha de cálculo mundial que correlaciona a qualidade clínico-laboratorial, na forma da capacidade de deteção de alterações fisiopatológicas relevantes, com a qualidade analítica nos seis sigmas.

Esta folha de cálculo, desenvolvida pela LabGen-ANBIOQ, utiliza os gráficos Normalizados de pontos operacionais e de erro sistemático, disponibilizados por Westgard, para comparar no seis sigma a capacidade de deteção de alterações fisiopatológicas relevantes com a qualidade analítica. E veio demonstrar como a qualidade clínica, por avaliar o impacto dos doseamentos laboratoriais diretamente na capacidade de detetar alterações fisiopatológicas relevantes em cada paciente, se sobrepõe à qualidade analítica no seis sigma e isso só é possível usando a métrica/conceito da Incerteza de Medição, que integra os erros aleatórios e sistemáticos (ou erros não intencionais e erros intencionais) numa única variável,  para calcular a capacidade de deteção de alterações fisiopatológicas relevantes.

Pode aceder aqui ao Manual de Utilizador  https://www.dropbox.com/l/scl/AABGW93ICKFoZq_z0-sM25BIc9_zFHj0Sn0, aqui acede ao Abstract https://www.dropbox.com/l/scl/AAA-s3-hfWuIF7uzTic5sSNDnU_-gYnF4LE  e aqui acede à folha de cálculo OCQI https://www.dropbox.com/l/scl/AABvMQ_mfN2fVZtUh5UnbjpvNh2DBKw2z2Q

Escrito por:

Jorge Pinheiro
Coordenador da LabGen-ANBIOQ
Membro da Direção do CBHS-OBIO
Bioquímico Clínico – LabGen-ANBIOQ
Especialista em Análises Clínicas – CBHS-OBIO

in- “Readings: Ciclo Artigos sobre as Apresentações do “5th EFLM-UEMS European Joint Congress in Laboratory Medicine 2018” – Numero 3 “The Rise And Fall Of Total Error Concept In Laboratory Medicine, Plataforma de Formação e Informação da ANBIOQ da Comissão de Laboratório Clínico e Genética Humana dos Bioquímicos Clínicos da Associação Nacional de Bioquímicos